Dimensions

PlumX
Cómo citar
Brandão, R. V. da M. . (2022). Família, finanças e poder no Brasil: a trajetória do grupo Itaú (1943-2008). Tiempo Y economía, 9(2). https://doi.org/10.21789/24222704.1877
Términos de licencia
Creative Commons License

Esta obra está bajo una licencia internacional Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0.

Creative Commons License

Esta obra está bajo una licencia internacional Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0.

Resumen

Este artigo tem como objetivo analisar a trajetória do grupo Itaú no período compreendido entre 1943, ano em que foi fundado o Banco Central de Crédito, e 2008, quando foi realizada a fusão com o Unibanco. Controlado pelas famílias Setúbal e Villela, o Itaú transformou-se, ao longo da segunda metade do século XX, em um dos mais poderosos grupos econômicos do Brasil. A hipótese defendida no texto é de que a trajetória do Itaú deve ser compreendida a partir de três grandes fases: 1) origem em um banco de atuação regional, o Banco Central de Crédito; 2) expansão, bene­ficiada pela política de conglomeração bancária da Ditadura Militar, e 3) consolidação, com a participação nos processos de privatização dos bancos estaduais na segunda metade da década de 1990.

Palabras clave:

Citas

Fontes primárias
Adachi, V. & Balarin, R. (2008, 8 de setembro). Quem são os discretos herdeiros do Itaú. Valor Econô¬mico, 7.

Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. (2001). Relatório Final da Comissão Parlamentar de Inquérito para Apurar as Irregularidades nos Processos de Privatização do Estado do Rio de Janeiro. https://theintercept.com/document/2017/02/17/cpi-rio-de-janeiro/

Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (2003). Comissão Parlamentar de Inquérito do Banestado — Relatório Final. https://fdocumentos.tips/document/cpi-banestado-relatorio-final-112003.html

Banco Central do Brasil. (1970). Resolução n.º 141, de vinte e três de março de 1970. https://www.bcb.gov.br/pre/normativos /busca/downloadNormativo.asp?arquivo=/Lists/Normativos/Attachments/40439/Res_0141_v1_O.pdf

Banco Central do Brasil. (1971). Resolução n.º 200, de 20 de dezembro de 1971. https://www.bcb.gov.br/pre/normativos/busca/download Normativo.asp?arquivo=/Lists/Normativos/Attachments/40337/Res_0200_v1_O.pdf

Banco Central do Brasil. (1973). Resolução n.º 266, de 15 de outubro de 1973. https://www.bcb.gov.br/pre/normativos/busca/downloadNorma tivo.asp?arquivo=/Lists/Normativos/Attachments/40226/Res_0266_v1_O.pdf

Banco Central do Brasil. (1998). Evolução do Sistema Financeiro Nacional (1994-1998). https://www.bcb.gov.br/htms/deorf /r199812/index.asp?frame=1.

Balbi, S. (2002, 6 de novembro). Itaú leva BBA Creditanstalt por R$ 3,3 bi. Folha de SP, 12.

Brasil. (1971). Decreto-Lei n.º 1.182, de dezesseis de julho de 1971. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/ del1182.htm

Brasil. (1996). Medida Provisória n.º 1514, de cinco de setembro de 1996. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/antigas/1514-1.htm#:~:text=MEDIDA%20PROVIS%C3%93RIA%20N%C2%BA%201.514% 2D1,financeiras%2C%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias.

Referências

Arêas, J. B. (2008). Batalhas de O Globo (1989-2002): o neoliberalismo em questão. (tese de doutorado). Universidade Federal Fluminense.

Bastos, C. A. (1997). Instituições Financeiras de Minas (1819-1955). Embalart.

Bielschowsky, R. (1975). Bancos e acumulação de capital na industrialização brasileira (1935-1962). (dissertação de mestrado). Universidade de Brasília.

Brandão, I. de L. (2008). Desvirando a página: a vida de Olavo Setúbal. Global Editora.

Brandão, R. V. da M. (2019). Reformas neoliberais no Brasil: a privatização dos bancos estaduais. Consequência.

Brandão, R. V. da M., Campos, P. H. P., & Martins M. de S. N. (2018). (orgs.). Política econômica dos anos de chumbo. Consequência.

Bourdieu, P. (1996). Razões práticas: sobre a teoria da ação. Papirus.

Castro, C., & Praça, S. (2017). (orgs.). Lázaro de Mello Brandão: senda de um Executivo Financeiro. Fundação Getúlio Vargas.

Corrêa, F. R. C. (2017). A trajetória do BCHASP/Banespa: do banco do café ao banco de Estado (1909-1939). Anuario Centro de Estudios
Económicos de la Empresa y el Desarrollo, 9(9), 137-172. https://ojs.econ. uba.ar/ index.php/CEEED/ article/view/1030

Costa, F. N. (1978). Bancos em Minas Gerais: 1889-1964. (dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Campinas.

Costa, F. N. (1988). Banco do estado: o caso do Banespa. (tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas.

Costa, F. N. (2002). Origem do capital bancário no Brasil: o caso RUBI. Texto para Discussão. (106), 1-28. https://fernandonogueira costa.wordpress.com/2010/01/24/origem-do-capital-bancario-no-brasil-o-caso-rubi

Costa, F. N. (2014). Brasil dos Bancos. Ed. USP.
Dreifuss, R. A. (1981). 1964: a conquista do Estado. Ação política, poder e golpe de classe. Vozes.

Ferreira, A. (2000). Citibank no Brasil: 85 anos de história. Cultura Editores Associados.

Freitas, M. C. P., & Prates, D. M. (2001). A abertura financeira no governo FHC: impactos e conseqüências. Economia e Sociedade, 10(2), 81-111. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/ view/8643099/10650

Gambi, T. F. R. (2015). O Banco da Ordem: política e finanças no Império brasileiro (1853-1866). Alameda.

Gasino, W. (2006). Histórias sobre corrupção e ganância: os bastidores da CPI estadual do Banestado. Feller.

Gonçalves, R. (1991). Grupos econômicos: uma análise conceitual e teórica. Revista Brasileira de Economia, 45(4), 491-518. https://lemate.paginas.ufsc.br/files/2019/04/534-19325-1-PB.pdf

Guimarães, C. G. (1995). Bancos, economia e poder no Segundo Reinado. Cadernos do ICHF, (71), 4-11. http://www.periodicoshumanas. uff.br/cadernosdoichf/issue/view/EP71

Guimarães, C. G. (2007). A Guerra do Paraguai e a atividade bancária no Rio de Janeiro no período 1865-1870: o caso do Banco Rural e Hipotecário do Rio de Janeiro. Heera (UFJF. Online), 2(3), 127-153. https://www.ufjf.br/ heera/files/2009/11/3-artigos6.pdf

Guimarães, C. G. (2012a). O banco inglês Brazilian and Portuguese Bank (English Bank of Rio de Janeiro) no Brasil e Portugal da segunda metade do século XIX (1863-1870). Em: L. M. B. P. Neves, & T. Bessone (orgs.), Dimensões políticas do Império do Brasil (pp. 211-242). Contra Capa.

Guimarães, C. G. (2012b). A presença inglesa nas finanças e no comércio no Brasil Imperial: os casos da Sociedade Bancária Mauá MacGregor & Co. (1854-1866) e da firma inglesa Samuel Phillips & Co. (1808-1840). Alameda.

Guimarães, C. G. (2013). O Banco Commercial e Agrícola no Império do Brasil: o estudo de caso de um banco comercial e emissor (1858-1862). Saeculum (UFPB), (29), 231-259. https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php /srh/article/view/19823/10958.

Lagemann, E. (1985). O Banco pelotense e o sistema financeiro regional. Mercado Aberto.

Landes, D. (2007). Dinastias: esplendores e infortúnios das grandes famílias empresariais. Elsevier.

Levy, M. B. (1977). História da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. IBMEC.

Lobo, E. M. L. (1978). História do Rio de Janeiro: do capital comercial ao capital industrial e financeiro. IBMEC.

Macarini, J. P. (2007). A política bancária do regime militar: o projeto de conglomerado (1967-1973). Economia e Sociedade, 16(31), 343-369. https://doi.org/10.1590/S0104-06182007000300003

Mantega, G., & Moares, M. (1979). Acumulação monopolista e crises no Brasil. Paz e Terra.

Markowitz, M. A. (2004). Bancos e Banqueiros: empresas e famílias no Brasil. (dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro). https://fernandonogueiracosta.files.wordpress.com/2010/08/ bancos-e-banqueiros-micheleandreamarkowitz.pdf

Marianno, M. (1991). Sudameris Brasil: 80 anos de trabalho. Banco Sudameris Brasil.

Martins, A. L. (2014). Itaú Unibanco 90 Anos: uma história muito além dos números. Editora Itaú Unibanco.

Minella, A. (1988). Banqueiros: organização e poder político no Brasil. Espaço e Tempo; Anpocs.

Montebello, S. C. (1993). BB: Banco do Brasil ou do Governo? Dilema histórico de uma instituição (1808-1988). (dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Nassif, L. (2019). Walther Moreira Salles: o banqueiro-embaixador e a construção do Brasil. Companhia Editora Nacional.

Oliveira, F. V. (1985). O Banco do Brasil no ciclo recente: 1964-1979. (dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Campinas.

Oliveira, W. F. (1993). História de um Banco: o banco Econômico. Museu Eugênio Teixeira Leal.

Paula, L. F. P. (2002). A recente onda de bancos europeus no Brasil: determinantes e impactos. Banco Santos.

Peláez, C. M., & Suzigan, W. (1976). História monetária do Brasil: análise da política, comportamento e instituições monetárias. Ipea.

Pereira, T. C. (2006). Bancos e Banqueiros, Sociedade e Política: O Bamerindus e José Eduardo de Andrade Vieira. (tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis). https://repositorio.ufsc. br/xmlui/handle/123456789/88567

Piñeiro, T. L. (1996). Crédito, bancos e política no Brasil Império (1830-1860). Encontro Nacional de Econômica Clássica e Política. 5-16.

Piñeiro, T. L. (2007). A Carteira Hipotecária do Banco do Brasil: os conflitos em torno do crédito agrícola no II Reinado. Em: E. S. Guimarães, & M. M. M. Motta (orgs.), Campos em Disputa: história agrária e companhia (pp. 41-62). Annablume.

Saes, D. (2001). República do Capital. Boitempo.

Salviano Jr, C. (2004). Bancos estaduais: dos problemas crônicos ao Proes. Banco Central do Brasil. https://www.bcb.gov.br/htms/public/BancosEstaduais/livro_bancos_estaduais.pdf

Setúbal, O. E. (1992). Consequências operacionais de fusões e incorporações. Febraban. Simpósio sobre fusões e aquisições. Mestre Jou.

Sucheuski, E. A. (2001). Caixa Econômica Federal: o banco do povo brasileiro. Concurso de monografia da Fenag.

Toledo, R. P. (1994). História do Unibanco: 1924-1994. Instituto Moreira Salles.

Vidotto, C. A. (1995). Banco do Brasil: crise de uma empresa estatal do setor financeiro (1964-1992). (dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Campinas.

Vidotto, C. A. (2002). O Sistema Financeiro Brasileiro nos Anos 90: um balanço das mudanças estruturais. (dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas). http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/285420

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citado por

Sistema OJS - Metabiblioteca |