Estrutura da riqueza do município de Pouso Alegre/Minas Gerais na transição dos séculos, 1870-1920

Palabras clave: História Econômica, História Regional, Sul de Minas, Riqueza, Transição

Resumen

Com este artigo buscaremos entender como os habitantes do município de Pouso Alegre, Minas Gerais, se inseriram de certa maneira no processo de modernização e urbanização, analisando os inventários post mortem compreendidos entre 1870 a 1920. Este tipo de fonte nos oferece pistas para estudos econômicos e sociais, e com base na documentação inventarial, examinaremos a estrutura da riqueza local por meio de seus ativos, podendo comparar com outros municípios. Discorreremos também sobre as faixas de riqueza, o que nos possibilita entender cada uma delas e sua inserção na sociedade pouso-alegrense.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Fernando Henrique do Vale, Universidade de São Paulo, Brasil

Mestre em História Econômica pela Universidade de São Paulo, Licenciado em História pela Universidade do Vale do Sapucaí. forma parte do Programa de Pós Graduação em História Econômica da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH-USP)

Citas

Abrahão, F. A. (2015). A composição da riqueza em Campinas, 1870-1940. Artigo apresentado no XI Congresso Brasileiro de História Econômica e 12ª Conferência Internacional de História de Empresas. Vitória: ABPHE.

Almico, R. de C. da S. (2011). Uma discussão metodológica sobre o crédito no século XIX. Passagens. Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica. Ano 3, vol. 3. Rio de Janeiro: setembro-dezembro.

Andrade, M. F. (2014). Elites regionais e a formação do Estado Imperial Brasileiro: Minas Gerais- Campanha da Princesa (1799-1850). Belo Horizonte: Fino Traço.

Costa, M. L. (2002). Fontes para a história social do Sul de Minas: os trabalhadores de Paraguaçu e Machado (1850-1900). Belo Horizonte: Mazza Edições.

Fernandes, F. (1976). A Revolução Burguesa no Brasil – ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Ferreira, N. S. (2017) Elite agrária e processo de urbanização: o município de Varginha- MG (1882-1920). Dissertação de Mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em História Econômica da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Filetto, F. (2000). Trajetória histórica do café na região sul de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado apresentada na Universidade Federal de Lavras. Lavras.

Filho, A. de A. G. (2002). A Princesa do Oeste e o mito da decadência de Minas Gerais: São João del Rei (1831-1888). São Paulo: Annablume Editora.

Furtado, C. (1974). O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Círculo do Livro S/A.

Furtado, C. (2000). Introdução ao desenvolvimento- Enfoque histórico- estrutural, 3ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Giroletti, D. (1988). Industrialização de Juiz de Fora. Juiz de Fora: Editora da UFJF.

Heinz, F. M. (2006). Por outra história das elites. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Junior, J. G. S. (2007). Cenários de modernidade: os projetos urbanos das capitais brasileiras no início da República. In: III Fórum de pesquisa FAU. Mackenzie. São Paulo.

Lenharo, A. (1979). As tropas de moderação: O abastecimento da corte na formação política do Brasil (1808-1842). São Paulo: Edições Símbolo.

Lopes, L. S. (2016). A economia e a alocação de riqueza bruta em Ribeirão Preto (1899-1900). Revista História Econômica & História de empresas, 19(1). Disponível em: http://www.abphe.org.br/revista/index.php?journal=rabphe&page=article&op=view&path%5B%5D=249. Acesso: 01/08/2017.

Lopes, L. S. (2017). Um estudo sobre a composição da riqueza de Ribeirão Preto com base nos inventários post-mortem (1866-1888). Disponível em: http://members.tripod.com/~Historia_Demografica/pesquisadores/luciana/index.htm, acesso em novembro de 2017.

Martins, M. L., e Souza, A. S. (2012). Notas sobre as propriedades rurais de Alfenas/MG: décadas de 1860-1880. In: A. M. Saes e M. L. Martins. Sul de Minas em transição- A formação do capitalismo na passagem para o século 20. Bauru/SP: Edusc.

Mello, Z. M. C. (1985). Metamorfoses da riqueza: São Paulo, 1845-1895. Editora Hucitec, São Paulo.

Pinheiro, R. C. (2017). Trabalho, terra e capital no Sul de Minas em transição. Dissertação defendida no programa de Pós-Graduação em História Econômica da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Piketty, T. (2013). O Capital no século XXI. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca.

Saes, A. M., e Martins, M. L. (orgs.). (2012). Sul de Minas em transição: a formação do capitalismo na passagem para o século XX. Bauru/SP: EDUSC.

Saes, A. M., Gambi, T. F., Curi, L. F. B. (2016). O processo de urbanização no Sul de Minas em transição: Uma proposta de interpretação. In: A. M. Saes e M. L. Martins e Gambi, T. F. Sul de Minas em urbanização: Modernização urbana no início do século XX. São Paulo: Alameda.

Silva, A. de M. (1890). Diccionario da Lingua Portugueza, vol. I, Rio de Janeiro: Editora Empreza Litterária Fluminense. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/242523.

Sobrinho, J. C. (2009). Negócios internos: estrutura produtiva, mercado e padrão social em uma freguesia sul mineiro. Itajubá- 1785-1850. Dissertação de Mestrado defendida. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora.

Sweezy, Paul et al. (1977). A transição do feudalismo para o capitalismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Vale, F. H., Saes, A. M., Carvalho, R. R. da S. (2016). Pouso Alegre: uma economia de abastecimento numa sociedade exportadora. In: A. M. Saes et al. Sul de Minas em urbanização- Modernização urbana no início do século XX. São Paulo: Alameda.

Vieira, E. J. (2015). Produçao, comércio e acumulação de riqueza em um município escravista mineiro: Lavras/MG (1870-1888). Dissertação de mestrado em História Econômica. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. São Paulo: Universidade de São Paulo.
Cómo citar
do Vale, F. H. (2019). Estrutura da riqueza do município de Pouso Alegre/Minas Gerais na transição dos séculos, 1870-1920. Tiempo Y economía, 6(2). https://doi.org/10.21789/24222704.1492
Publicado
2019-05-28
Sección
Artículos