Dimensions
PlumX
Cómo citar
Ribeiro, A. dos S. (2021). “The leading commission-house of Rio de Janeiro”: os negócios da Maxwell, Wright & C.o. (c. 1827-c. 1850). Tiempo Y economía, 8(2), 48-74. https://doi.org/10.21789/24222704.1758

Resumen

A firma anglo-americana Maxwell, Wright & Co. teve posição de destaque nas rotas atlânticas de comércio a partir da cidade do Rio de Janeiro em meados do século XIX. Seus ramos de atividade eram os mais variados, mas, acima de tudo, a empresa atuou no comércio cafeeiro para os portos dos Estados Unidos da América. Nos anos 1840, a firma era a principal exportadora de café da praça carioca e de todo o Império. O presente trabalho visa a analisar a inserção dessa empresa estrangeira na economia brasileira das três primeiras décadas do Brasil independente.

Licencia

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObrasDerivadas 4.0.

Citas

Almanak Laemmert, várias edições (1845, 1846, 1847, 1848, 1849, 1850).

Anuário político, histórico e estatístico do Brasil (1847 e 1849). Firmin Didot Irmãos.

Arrighi, G., Barr, K., & Hisaeda, S. (2001) A transformação da empresa capitalista. Em G. Arrighi, & B. Silver. (orgs.), Caos e Governabilidade no moderno sistema mundial (pp. 107-159). Contraponto/Ed. UFRJ.

Arquivo da Cúria Metropolitana do Rio de Janeiro, série HM 47389, caixa 2359.

Bacha, E. (1992). Política brasileira do café uma avaliação centenária. Em E. Bacha, & Greenhill, R. (orgs.), Marcelino Martins & Edward Johnston: 150 anos de café (pp. 13-35). Salamandra Ed.

Berute, G. (2011). Atividades Mercantis do Rio Grande de São Pedro: negócios, mercadorias e agentes mercantis (1808-1850) (tese de doutorado em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil).

Casson, M., & Da Silva Lopes, T. (2013). Foreign direct investment in high-risk environments a historical perspective. Business History, 55(3), 375-404. https://doi.org/10.1080/00076791.2013.771343

Chalhoub, S. (2012). A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. Companhia das Letras.

Correio Mercantil. (1859, 1 jan.). Anúncios, 2.

Diário do Rio de Janeiro, várias edições (1833, 1835, 1838, 1842, 1843, 1844, 1845, 1846, 1847, 1848).

Diário do Governo (1823, 29 jul.), p. 144.

Fernández, P., & Lluch, A. (eds.). (2015). Familias empresarias y grandes empresas familiares en América Latina y España. Una visión de largo plazo. Fundación BBVA.

Guimarães, C. G. (2012). A presença inglesa nas finanças e no comércio no Brasil Imperial: Os casos da Sociedade Bancária Mauá, MacGregor & Cia. (1854-1866) e da firma inglesa Samuel Phillips & Cia. (1808-1840). Alameda Casa Editorial.

Guimarães, C. G. (2015). O comércio exportador inglês no Império brasileiro: o caso da firma Edward Johnston & Co., 1842-1852. Revista Tempo, 21(37), 187-207. https://doi.org/10.1590/tem-1980-542x2015v213705

Graden, D. T. (2007). O envolvimento dos Estados Unidos no comércio transatlântico de escravos para o Brasil, 1840-1858. Afro-Ásia, 35, 9-35. https://doi.org/10.9771/aa.v0i35.21125

Harber, S., & Klein, H. (1992). As consequências econômicas da Independência brasileira. Novos Estudos, 33, 236-248.

Horne, G. (2010). O Sul mais distante: os Estados Unidos, o Brasil e o tráfico de escravos africanos. Companhia das Letras.

Jarnagin, L. (2008). A Confluence of Transatlantic Networks. Elites, Capitalism, and Confederate Migration to Brazil. The University of Alabama Press Tuscaloosa.

Jornal do Commercio, várias edições (1827, 1828, 1834, 1840).

Kidder, D. P., & Fletcher, J. C. (1857). Brazil and the Brazilians: Portrayed in Historical and Descriptive Sketches. Childs & Peterson.

Kindleberger, C. P., & Alibier, R. (2009). Da Euforia ao Pânico: uma história das crises financeiras. 5ª ed. Tradução de Leonardo Abramowicz. Editora Gente.

Levy, M. B. (1994). A Indústria do Rio de Janeiro Através de Suas Sociedades Anônimas. Editora da UFRJ/Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

Mamigonian, B. G. (2009). A proibição do tráfico atlântico e a manutenção da escravidão. Em K. Grinberg, & R. Salles (orgs.), O Brasil Imperial, volume 1: 1808-1831 (pp. 207-233). Civilização Brasileira.

Marques, L. (2016). The United States and Transatlantic Slave Trade to Americas, 1776-1867. Yale University Press. https://doi.org/10.12987/yale/9780300212419.001.0001

Marquese, R., & Tomich, D. (2011). O Vale do Paraíba escravista e a formação do mercado mundial de café. Em K. Grinberg, & R. Salles (orgs.), O Brasil Imperial, volume 2: 1831-1870 (pp. 339-383). Civilização Brasileira.

Marquese, R. (2013). Estados Unidos, segunda escravidão e a economia cafeeira do Império do Brasil. Almanack, 5, 51-60. https://doi.org/10.1590/2236-463320130503

Marquese, R., & Salles, R. (orgs.). (2016). Escravidão e capitalismo histórico no século XIX: Cuba, Brasil, Estados Unidos. Civilização Brasileira.

Mantuano, T. V. C. (2017). Comendador Antônio Martins Lage: Entre a Navegação e a Operação Portuária no século XIX (dissertação de mestrado, Universidade Federal Fluminense, Brasil).

Mattos, I. (2004). O Tempo Saquarema. Hucitec.

Maxwell, Wright e Co.(1841). Comercial Formalities of Rio de Janeiro. Sherwood & Co. printers.

Mello, J. M. C. (1998). O Capitalismo Tardio: contribuição à Revisão Crítica da Formação e do Desenvolvimento da Economia Brasileira. IE/Unicamp.

Mesquita, J. M. (2019). O comércio ilegal de escravos no Atlântico: a trajetória de Manoel Pinto da Fonseca, c.1831- c.1850 (dissertação de mestrado, UNIRIO, Brasil).

Parron, T. (2011) A política da escravidão no Império do Brasil, 1826/1865. Civilização Brasileira.

Pequeno Almanak (1842), p. 97.

Pereira, W. L. C., & Pessoa, T. C. (2019). Silêncios atlânticos: sujeitos e lugares praieiros no tráfico ilegal de africanos para o Sudeste brasileiro (c.1830 – c.1860). Estudos Históricos, 32(66), 79-100. https://doi.org/10.1590/s2178-14942019000100005

Pesavento, S. J. (2003 [1985]). A revolução Farroupilha. Brasiliense.

Prado Jr., C. (1971). História Econômica do Brasil. 14ª ed. Editora Brasiliense.

Ribeiro, A. dos S. (2014). “The leading commission-house of Rio de Janeiro”: a firma Maxwell, Wright & C.o. no comércio do Império do Brasil (c.1827-c.1850) (dissertação de mestrado, Universidade Federal Fluminense, Brasil).

Ribeiro, G. S., & Pereira, V. (2009). O Primeiro Reinado em revisão. Em K. Grinberg, & R. Salles (orgs.), O Brasil Imperial, volume 1: 1808-1831 (pp. 137-173). Civilização Brasileira.

Salles, R. (2008). E o Vale era o escravo. Vassouras, século XIX. Senhores e escravos no coração do Império. Civilização Brasileira.

Salles, R. (2012). O Império do Brasil no contexto do século XIX. Escravidão nacional, classe senhorial e intelectuais na formação do Estado. Almanack, 4, 5-45. https://doi.org/10.1590/2236-463320120401

Santos, S. A. dos. (2020). Do contrabando ao consulado: a atuação do estadunidense John Smith Gillmer na Bahia (1826-1862). Esboços, 27(46), 534-553. https://doi.org/10.5007/2175-7976.2020.e74059

Tavares, L. H. D. (1988). O Comércio proibido de escravos. Ed. Ática. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i28p37-52

Topik, S., & Samper, M. (2006) The Latin American Coffee Commodity Chain: Brazil and Costa Rica. Em Z. Frank, C. Marichal, & S. Topik (orgs.), From Silver to Cocaine: Latin American Commodity Chains and the Building of the World Economy, 1500-2000 (pp. 118-146). Duke University Press. https://doi.org/10.1215/9780822388029-006

Velasco Cruz, M. C. (1999). O porto do Rio de Janeiro no século XIX: uma realidade de muitas faces. Tempo, 8, 1-18.

Villa, C. V. (2014). Fluxos de mercadorias entre o Rio de Janeiro e a Virgínia em meados do século XIX. História econômica & História de empresas, 17(2), 1-28. https://doi.org/10.29182/hehe.v17i2.323

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Sistema OJS - Metabiblioteca |